Eu sempre achei que tinha pouco leite...

Mesmo com o meu bebê dormindo a noite toda, muitas vezes eu perdi o sono de preocupação com a minha produção de leite. E acho que como eu, muitas outras mães em algum momento se questionaram se tinham pouco leite, se seu leite era suficiente, se seu bebê não estava chorando de fome. 

Me parece que essa é uma preocupação bastante comum entre as mães que estão amamentando. Percebi no meu grupo de mães que eu não era a única com essa preocupação. 

A pressão de saber que aquele pequeno ser depende exclusivamente do leite que o nosso corpo produz, muitas vezes afeta a gente. Essa pressão fazia com que o medo do leite diminuir ou secar estivesse sempre presente na minha cabeça, até uns 6 meses do Lucca. O que mais me ajudou com isso foi receber orientação profissional de quem entende do assunto. 

A pediatra do Lucca me ajudou muito nos momentos difíceis, como na época do refluxo, em que eu achava que ele chorava de fome. Nesse momento ela podia ter nos orientado à complementar com fórmula, mas ao contrário de muitos pediatras, ela me deu muita força para eu seguir com a amamentação exclusiva. Me encaminhou para um círculo de amamentação, um encontro entre mães que amamentam e consultoras de amamentação.  E ela também me tranquilizou, dizendo que a maioria das mães acham que tem pouco leite, mesmo tendo o suficiente para seus bebês, me disse que esse é um sentimento muito comum. 

E que além da importância da orientação e do apoio do círculo de amamentação, nada era mais importante do que EU CONFIAR NO MEU CORPO! 

Na época em que passei por esse problema, decidi compartilhar no Instagram as orientações que recebi das consultoras nesse círculo de amamentação para aumentar a minha produção de leite. Pois essas orientações me ajudaram muito e me senti na obrigação de dividir essas informações tão importantes com outras mães. 

E depois que compartilhei isso, recebi inúmeras mensagens lindas de mães que estavam praticamente sem leite, quase desistindo da amamentação, e que com essas orientações conseguiram aumentar a sua produção de leite e seguir amamentando.

Essas mensagens me enchem de alegria, por isso quis dividir essas informações aqui no blog também.. 

O mais importante e mais simples de tudo e que muita gente já sabe, mas que não custa lembrar, é a receita simples da amamentação:  

Bebê no peito o tempo todo! Quanto mais tempo o bebê suga o peito, mais o corpo recebe a mensagem de que esse bebê precisa de mais leite! Sendo assim a complementação com fórmula, diminui o número de mamadas no peito, o que não ajuda na produção de leite. 

"Pele com Pele”. A proximidade da mãe com o bebê também é super importante para estabelecer uma boa produção de leite. O contato da pele, entre mãe e bebê, aumenta a prolactina, o hormônio responsável pela produção de leite.

A Livre Demanda é o melhor cronograma para a amamentação. Bebê no peito quando ele quiser e pelo tempo que ele quiser. Eu descobri na pele que não existe uma regra de horário para mamadas. Lucca nunca gostou do tal intervalo de 3 horas que tanto falam, ele sempre mamou de hora em hora durante o dia e assim descobri que a Livre Demanda é a melhor aliada da amamentação. 

Beber bastante água, o tempo todo! Amamentar nos deixa naturalmente com mais sede. 

Evitar dietas radicais para perda de peso. Se alimentar corretamente é fundamental. O corpo precisa de calorias extras para produzir leite. Cuidado com as dietas “fat free” - “ livre de gorduras”. Nossos bebês precisam de gorduras boas para o desenvolvimento do cerébro. Como por exemplo; azeite de oliva, óleo de coco, ômega 3, e castanhas. Entendo que todas nós queremos perder os quilinhos da gravidez o mais rápido possível, mas se a prioridade é amamentar, o ideal é perder esses kilos a mais da gravidez devagar, sem pressa, naturalmente. 

Evitar exercícios físicos em excesso. A malhação pesada diminui a prolactina e a fadiga física não ajuda na produção de leite. 

Comer aveia todos os dias. Faço um mingau de aveia com leite de amêndoas pela manhã, e uma vitamina batida com frutas e aveia a tarde. E o consumo da quinoa também é benéfico, cozinho no arroz e assim consumo todos os dias. 

O uso da máquina de tirar leite. E o conselho que mais me ajudou e que aqui nos EUA é muito utilizado, é o uso da máquina de tirar leite, após as mamadas.

A máquina recomendada é a elétrica, bifásica, eu uso a Medela Advance pois ela imita o estímulo do bebê sugando. Primeiro faz o movimento que o bebê faz para estimular o leite a descer e depois faz o movimento do bebê sugando. Eu usei muito a máquina na época do refluxo,  quando o Lucca mamava pouco, minha produção caiu muito e a máquina me salvou. 

Eu tirava leite sempre após as mamadas curtas dele. Dessa maneira meu corpo achava que meu bebê estava sugando mais do que de fato ele estava e então meu corpo recebia a mensagem de que precisava fazer mais leite. 

Até hoje uso a máquina todos os dias. Pois o Lucca dorme 12 horas direto à noite e esse intervalo é muito longo para ficar sem estímulo, o que fez minha produção baixar um pouco quando ele começou a dormir longos períodos a noite. Por isso, tiro leite todas as noites antes de dormir e pela manhã após a primeira mamada dele, pois tenho muito leite pela manhã que acumula durante a noite. Ofereço esse leite para ele todos os dias no final do dia, quando ele normalmente tem bastante fome e a nossa produção é naturalmente mais baixa. 

✅ Composto natural de ervas que estimula a produção de leite. Aqui nos EUA é proibido o uso de medicamentos para o aumento da produção de leite, não sei exatamente o porquê. Conheço algumas mães que no momento do desespero tentaram comprar esses medicamentos no mercado negro, em sites de outros países onde o uso do medicamento é liberado, como no Brasil. Quando a minha produção estava muito baixa pedi para minha médica esse medicamento e ela me informou que é proibido aqui. 

No círculo de amamentação a consultora me indicou um composto natural de ervas que estimula a produção de leite e é bastante conhecido e usado por aqui. A marca é  ”Mother Love” e eles têm vários compostos diferentes. Eu tomei o “More Milk”, e acho que ajudou um pouco, mas acredito que o uso da máquina de tirar leite foi mais eficaz.

✅ O choro do bebê! E a última informação que me passaram e que achei a mais incrível de todas, é que o choro do bebê faz com que nosso corpo produza mais leite! O que faz muito sentindo e nos lembra que a natureza é perfeita mesmo! 

 

Seguindo essas orientações consegui estabelecer uma boa produção de leite, e eu que um dia sofri com a baixa produção, hoje amamento o meu filho e ainda consigo doar leite para outros bebezinhos.

Peitos fartos e filhos fortes para todas nós!!!!! 

23 Comments